Qual o seu papel?

O Cardeal Francisco Javier Van Thuan foi um bispo vietnamita que passou treze anos em uma prisão durante o regime comunista do Vietnam e, logo após ser libertado, foi nomeado pelo Papa João Paulo II como Presidente do Pontifício Conselho Justiça e Paz. O Cardeal vietnamita elaborou algumas “Bem-aventuranças do Político” fundando-se nas Bem-aventuranças do Evangelho:
– “Bem aventurado os que entendem seu papel no mundo” – Quer dizer ser um servidor de seu irmão, de seu país, e de seu povo;
– “O que exemplifica pessoalmente a credibilidade”. Com seu exemplo, se faz exemplar;
– “O que trabalha pelo bem comum e não por interesses pessoais”;
– “O que é sincero consigo mesmo, com sua fé e com suas promessas eleitorais”;
– “O que trabalha pela unidade e faz de Jesus o apoio de sua defesa”;
– “O que trabalha pela mudança profunda e nega-se a chamar de “bom” o que é mau utilizando o evangelho como guia”;
– “Escuta o povo antes, durante e depois da eleição e que sempre escute a Deus na oração”;
– “Não tenha medo da verdade nem do meio de comunicação porque, no momento do julgamento, responderá somente a Deus”;
Temos um norte para que possamos tomar uma decisão, independente da escolha que fizermos, termos a consciência de que seremos governados por quatro anos, o que é muito se tomarmos uma decisão errada.
Lembro de um passado muito recente em que tínhamos uma assembléia contaminada e que contaminava todos os poderes, deixando-nos na miséria, levando o nosso lindo Estado para as vergonhosas paginas policiais, sentíamos como devedores de uma divida que não era nossa.
Aí eu te pergunto: Será que não era mesmo nossa?
Pagamos por uma escolha, errada ou não, uma escolha.
O político honesto pode ser um santo, um homem de Deus a serviço da nação; o politiqueiro, mal intencionado, é o lado oposto da santidade e um dia sentará no Tribunal de Cristo, para prestar contas dos seus atos.
Que o nosso Senhor Jesus Cristo ilumine a todos neste momento de cidadania mas, também, de um ato Cristão. E oremos sempre por todos os nossos políticos.
Cada qual seja a submisso às autoridades constituídas, porque não há autoridade que não venha de Deus; as que existem foram instituídas por Deus. Rm 13-01
Por: Gedson Merizio
Núcleo Diocesano de pregadores
“Proclamai a todos os povos, a salvação que Ele nos troxe.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado